Querida grávida,
Já desejou que alguém lhe dissesse a verdade?

Ai, ai. Pensando bem, o que realmente atormenta é como a realidade do parto, a realidade confusa, sangrenta e dolorosa do parto foi petrificada e maquiada. Não foi tão condescendente assim. Quem acredita de verdade que aconselhar alguém a visualizar uma explosão de fitas cor-de-rosa quando as contrações começam pudesse ajudar... porque quando elas realmente começaram, você nunca tinha sentido uma dor tão cruel e profunda e não tinha nenhum mecanismo para lidar com isso além dos medicamentos...  O trabalho de parto doeu. Doeu mesmo.

 

Alaina - Idade 37, mãe de três filhos

Alaina - Idade 37, mãe de três filhos

Alaina - Idade 37, mãe de três filhos

Alaina - Idade 37, mãe de três filhos

1 of close

Alaina - Idade 37, mãe de três filhos

prev    
 

Eu me lembro do Plano do Parto, o pedaço de papel no qual você rabiscou suas esperanças de fazer um parto natural sem medicamentos (preferencialmente na água); um parto sem intervenção médica ou cortes ou lágrimas? Pensando agora, parece tão ingênuo. Qual parto ALGUMA VEZ sai como planejado? É claro que algumas mulheres conseguem suportar a dor e ter uma enorme sensação de realização por ter um parto natural. Bem, eu tiro meu chapéu para elas, mas muitas outras estreantes não têm tanta sorte. Você pertencia ao último grupo e muitas das suas colegas também, e algumas acharam o trabalho de parto desnecessariamente traumático ou aquém do esperado pela experiência ou, pior, culpa, por não ser mulher suficiente para ter um parto natural. Revendo isso agora - se você for para um ambiente hospitalar, então a realidade é que intervenções médicas podem ocorrer, enquanto se você estiver determinada a ter um parto natural, certifique-se de estar física e mentalmente preparada para isso.

E, querida grávida, você acreditou nisso, não? A sedução do lucro, a comercialização da gravidez, da maternidade e do parto. Todas aquelas obrigatoriedades... Você realmente deve... Você não deve nada. É tão fácil se deixar enganar por isso. Se sua carteira permitir que você se delicie, vá em frente, mas se houver restrições orçamentárias, há somente duas coisas de que seu bebê precisa: amor e nutrição. Eles pouco se importam se não estão vestidos com roupas de marca ou se são empurrados no carrinho mais caro.

Depois, há o misterioso desaparecimento do Tempo, que nunca é totalmente explicado antes do parto. Assim que você tiver a trouxinha nos braços, o tempo escapará pelos seus dedos. O tempo voa e antes que você tenha mesmo conseguido dar banho, vestir, alimentar e trocar o bebê, metade do dia terá se passado. Assim como você... ou pelo menos a “pessoa” que você costumava pensar que era.

Você não existe mais – todo o foco está voltado para o bebê. Fisicamente você mal se reconhece; em virtude de uma crise existencial, crises de choro, hormônios, um monte de recompensas emocionais e exaustão. Sim, você será iminentemente apresentada a um tipo de cansaço que nunca sentiu antes - apesar de a euforia inicial fazer com que você suporte nos primeiros dias. Veja, nada jamais a cativou tanto quanto essa pessoa minúscula em seus braços e tão hipnótica, que mesmo se fosse a criatura mais feia já nascida, seu bebê seria lindo para você.

Falando na sua beleza, o que houve? O que houve é que você acreditou que estava comendo por dois! Você acreditou que o peso desapareceria como mágica porque está amamentando, mas não desapareceu, não é? Querida grávida, antes que seja tarde demais: afaste-se daquele bolo.

Minha queridíssima grávida, duas coisas realmente importantes. Primeiro, pare de se importar com qualquer coisa que não seja você e sua pequena unidade familiar. Pelo menos por enquanto. Seja egoísta, não tente agradar outras pessoas, não se preocupe com o que as outras pessoas pensam das suas escolhas. Aceite que sua forma de fazer as coisas é exclusiva para você e para seu bebê, e vá em frente. Segundo, não seja um mártir. Permita-se cometer erros, ser imperfeita e aprender na prática. Às vezes você poderá inclusive ter de deixar o bebê chorar.

E caríssima grávida, saiba que esta é a aventura mais maravilhosa na qual você já embarcou. E se seu mundo parecer estar encolhendo, é apenas uma fase passageira. Tornar-se mãe é um renascimento. Você passa a ver a vida com um novo olhar. Você tem de começar outra vez. Apesar da falta de tempo, você percebe como isto é precioso. Você é tocada por este milagre da vida e percebe que não há nada mais importante do que criar alguém e o tamanho do privilégio que é (sim, um privilégio) poder orientar aquela vida, até que ele esteja pronto para viver por conta própria. E há o amor, um Amor Enorme. Você sentirá um amor tão intenso e profundo que escapa a compreensão. Ninguém nunca precisou tanto de você ou amou tanto você, e vice-versa. A maternidade é muitas, muitas coisas, estressante, porém fenomenal, difícil, porém muito recompensadora, implacável, porém completamente inspiradora. Queridíssima grávida, seja bem-vinda ao mundo tão real (e surreal) da maternidade, um passeio de montanha russa como nenhum outro.


Curta

Eu

P.S. Independentemente de quanto você se esforce, sua casa acabará tomada por objetos de plástico coloridos berrantes

P.P.S. Você está se saindo incrivelmente bem.

Últimos artigos