Finalmente chegou o tão aguardado pacote de amor e alegria pelo qual você e seu companheiro haviam esperado e planejado. Vocês estão inebriados, exultantes e transbordando de felicidade. O amor que sentem um pelo outro foi renovado e está fortalecido, e vocês estão mergulhados no êxtase doméstico. Estão mesmo?

Ter um bebê pode exercer muita pressão no relacionamento. De repente, a vida mudou irremediavelmente; principalmente a sua. Os papéis no relacionamento poderão ter sido alterados, juntamente com as expectativas um do outro. As mães de primeira viagem podem achar difícil manter o equilíbrio de vida e uma queixa comum é que muitas sentem que são elas que carregam o peso das tantas responsabilidades domésticas, sociais e parentais, praticamente fazendo muito mais do que seria a parcela justa de alguém. Equilibrar estas equivalências é difícil. Seu mundo poderá ter se transformado, enquanto o do seu companheiro, não, ele vai para o trabalho como de costume, continua com seus hábitos sociais etc.

Como principal responsável pelos cuidados, você terá de parar de trabalhar para cuidar do bebê (seja no curto ou no longo prazo), então é fundamental se sentir valorizada, apoiada emocionalmente e valorizada pelo seu companheiro.

É provável que surjam ressentimentos se seu companheiro minar seus esforços ou quando for a vez dele de ajudar e ele não respeitar os horários, acabando com sua árdua batalha para estabelecer rotinas etc.

Jilly, mãe de 2 filhos e psicóloga clínica, escreve:

É a primeira vez em suas vidas que seus cotidianos divergem e pode parecer impossível superar isso. O que nos ajudou foi assegurar que nossos papéis estavam claramente definidos e também que meu marido não tentaria ser a “mamãe” quando estava por perto, mas que desenvolveria seu próprio tipo de relacionamento/coisas para fazer/truques para usar com as crianças...

Ou talvez seu companheiro não compreenda quanto mais apoio você poderá precisar, quão exausta você realmente está e como lidar com suas mudanças de humor. É difícil ter estado em uma carreira da qual você gostava e ter a sensação de ser vencida por um bebê – (Por um bebê! Quão difícil deve ser cuidar de um neném minúsculo – bem, é). Muitas mulheres transferem suas frustrações ou raiva para as pessoas mais próximas e mais amadas. Não subestime a enchente de hormônios pós-parto que a colocou em uma montanha russa emocional. Haverá mudanças de humor, oscilações e reviravoltas. Isso é natural; seu corpo está voltando ao normal. Para algumas mulheres, poderá haver depressão. Se você se encontrar em meio à tristeza, será muito importante reconhecer estes sentimentos e obter ajuda o mais rápido possível.

Sentir rancor com relação ao seu companheiro é um assunto delicado. Uma olhada rápida nas várias trocas de mensagens em comunidades parentais vai tranquilizá-la, é um problema comum. Haverá imperfeições, incômodos, apartes que levarão a um acúmulo de rancores, todos direcionados ao seu companheiro. Então como lidar com essa raiva reprimida e com as explosões iminentes?

Primeiro, você terá de descer da esteira da negatividade e identificar o que quer realizar e como pode informar seu companheiro.

Fale a respeito. Parece óbvio, mas conversar é essencial. Descobrir o momento e o lugar certos também é. Programe-se para ter uma conversa de adulto longe de um bebê chorando em um cenário neutro.

Faça isso com tranquilidade. Tente não se apressar ou tomar decisões que potencialmente mudem a vida quando estiver com raiva.

Escreva tudo a respeito. Expresse as frustrações ao anotar os pensamentos negativos. Tente ser o mais específica possível e descubra exatamente qual é o problema de verdade.

Mantenha a calma Certifique-se de que você esteja calma e resoluta antes de conversar com seu companheiro. Poderá ser necessário inspirar profundamente, socar um travesseiro velho ou aumentar o volume do rádio do carro para pôr para fora o incômodo das frustrações.

Não entre em uma briga circular se você acha que ficará voltando às mesmas coisas por vezes seguidas, sai disso. Se não estiver funcionando, procure uma forma alternativa de comunicar seu ponto. Você poderá achar que está sendo clara, dizendo A+B=C, mas seu companheiro está ouvindo X+Y=Z. Busque orientação dos amigos ou, se possível, de um conselheiro ou coach, alguém que possa apresentar uma perspectiva nova para a situação. Você precisa encontrar uma maneira de se expressar sem que seu companheiro assuma a defensiva.

Concentre-se em você mesma como a principal responsável pelos cuidados. Lembre-se de que como a pessoa número um na vida do seu filho, você precisa cuidar de si mesma, comer bem, beber bastante água e praticar exercício sempre que possível.